PALHAÇA
  Introdução
  As Origens
  Paroquia de S. Pedro
  Feira
  Inicio de um Novo Ciclo
  Devoção Popular
  Instituções Religiosas
  Parocos, Padres e Religiosas
 Factos Religiosos em destaque
 
   


MUSEU S. PEDRO

PALHAÇA

ROTEIRO CULTURAL E
RELIGIOSO


DIOCESE DE AVEIRO

CULTURA BAIRRADINA

AUTORES DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

PLÊIADE BAIRRADINA

ARLINDO VICENTE

FORAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO


LIGAÇÕES

 

Contacto
 

 

Instituições Relegiosas

Irmandades e Confrarias

  As Irmandades e Confrarias são associações eclesiásticas com o fim de incrementar o culto público.
A primeira Confraria que terá existido nesta paróquia foi a Confraria de S. Pedro, que administrava o culto da Capela de S. Pedro e a administração dos bens religiosos, em carta de padre Manuel Ferreira Félix, datada de Janeiro de 1907, refere a existência de um tombo da Confraria de S. Pedro do ano de 1754. tombo este hoje desaparecido.
Em finais do séc. XVIII aparecem referências à Irmandade das Almas.
Em 1804 com a autonomia dada à paróquia, aparece a Confraria do Santíssimo Sacramento, que passaria a ter a obrigação total da promoção do Culto. A Confraria de S. Pedro ficaria com a obrigação de promover o culto a S. Pedro e a administrar os seus bens. Na actualidade e porque uma das finalidades da confraria era a gestão da feira, para a qual Manuel de Oliveira deixou o terreno, como já foi supracitado e com a extinção das ordens religiosas os rendimentos da feira terem passado para administração civil, hoje Junta de Freguesia da Palhaça, é da responsabilidade desta instituição promover a festa de S. Pedro.
Um documento de 31-12-1862, da Administração do Concelho, refere que os mordomos que administravam as duas confrarias eram os mesmos.
Em 13-07-1866, aparecem as duas Confrarias unificadas com contas conjuntas e com a denominação de Confraria do Santíssimo Sacramento e São Pedro.
É oportuno referir que a partir de 1862, só poderiam existir Irmandades e Confrarias que tivessem estatutos aprovados pelo Concelho de Distrito e é de referir este facto porque não se pode pôr em causa a existência das Irmandades da Paróquia, porque caso não estivessem legalmente instituídas em 1862 teriam sido extintas como aconteceu com Irmandades de paróquias vizinhas.
As Confrarias e Irmandades da Palhaça mantêm-se até 1911, quando Governo da Nova Republica, extingue todas as Irmandades e confrarias do país, “devendo os interessados em continuar, a apresentar o pedido e os estatutos para aprovação”.
Nesta paróquia a única que apresentou estatutos, foi a irmandade das Almas, sendo a acta aprovada de 2 de Maio de 1915.
Hoje existe a Irmandade das Almas oficializada e existe também, embora sem existência legal (estatutária ), a mordomia do Senhor, que veio substituir em parte as funções da Confraria do Santíssimo Sacramento.
A administração dos bens da Igreja compete a uma comissão denominada de Conselho Económico Paroquial.
A Irmandade das Almas já aparece referenciada no Inquérito Paroquial de 1758 tendo como patrono a S. Pedro.
Por sua vez o Papa Pio VI em 13 de Maio de 1791, concedeu um privilégio ao altar das Almas existente na referida Capela.

OUTRAS ASSOCIAÇÕES RELIGIOSAS

Apostolado da Oração

É uma associação piedosa que exerceu grande influxo religioso na vida da Igreja.
Fundada em 3 de Dezembro de 1844, pelo Padre Gautrelet, em Vals ( França ), foi grande impulsionador o Padre Henrique Ramiére, que assumiu a direcção da obra em 1860.
É uma associação promotora da devoção ao Coração de Jesus, promove a frequência da Comunhão e a Consagração das famílias ao Coração de Jesus.
Exerce o apostolado por meio da oração.
À paróquia de S. Pedro da Palhaça foi atribuído o diploma pelo Vaticano em 20 de Dezembro de 1898.
O último documento em arquivo é de 28 de Novembro de 1974.


ACÇÃO CATÓLICA

É uma associação fundada por Pio IX em 1848.
Eram movimentos empenhados inicialmente na defesa dos direitos e liberdades da Igreja. Pio XI definiu-a como “a participação dos leigos no apostolado da hierarquia da Igreja”. Pio XII, insistiu mais na urgência da CONSECRATIO MUNDI, para uma acção apostólica e social organizada dos leigos católicos, bem inseridos nos meios e actividades sociais.
Em Portugal deu origem a grande quantidade de grupos de acção específica e diversas áreas.